Artigos, Blog › 04/11/2015
Não casamos com a perfeição; casamos com o potencial
398 Views

Para um bom casamento não é preciso que o homem e a mulher sejam perfeitos, mas que os dois se empenhem juntos em melhorar e aperfeiçoar.

 

A vida adulta é um período de muita análise, questionamentos e apreciação porque as escolhas que forem feitas irão moldar o destino. Várias pesquisas têm mostrado que os jovens adultos gostam da ideia do casamento, mas relutam em dar esse passo, ficando sem rumo com relação a se casar e ter filhos. Muitos casais acham que a vida de casado ou o cônjuge não era o que esperavam. Porém a vida é um tempo de escolha para todos.

O conceito de casamento hoje no mundo está ameaçado. A desvalorização de que ele é permanente e valioso e deve ser preservado para o bem comum, do casal e também dos filhos, tem sido substituído pela ideia de que é como se estar preso a uma corrente com uma bola de chumbo que tolhe a realização pessoal e que ao primeiro problema ou crise séria o mais fácil é abandoná-lo.

É importante se buscar um casamento eterno em duração e divino em termos de qualidade. Aquele que não progride para esse ideal é, muitas vezes, devido à dureza do coração, da falta de paciência e amor, por egoísmo e da ausência de mudança pessoal.

Para não ter uma vida cheia de problemas, embora haja desafios e provações, busque alguém que não vá torná-la assim. Para se casar bem é preciso procurar bem, tendo a consciência de que para um bom casamento não é preciso que o homem e a mulher sejam perfeitos, mas que os dois se empenhem juntos em melhorar e aperfeiçoar.

O caminho que leva ao casamento deve passar pelo namoro. O namoro será a oportunidade de conversar muito, de descobrir tudo o que puder um sobre o outro, de conhecer a família um do outro e da qual logo farão parte. Conversar de maneira informal com uma pessoa ou trocar informações pela Internet não são suficientes como base para um casamento. É preciso sair juntos e depois “namorar” de modo cuidadoso, zeloso e consciente.

Deve haver muitas oportunidades de observar o comportamento do futuro cônjuge em várias situações. Verificar se as metas de ambos são compatíveis, se compartilham dos mesmos sentimentos em relação a vários aspectos importantes da vida em como expectativas, princípios, família, filhos, carreira, estudo, religião, Deus, etc. Observar a outra pessoa nas horas de estresse, como reage ao sucesso e fracasso, como resiste à raiva e lida com os reveses da vida.

Se é o tipo de pessoa que eleva e incentiva, se tem o tipo de linguagem e conduta desejável para se conviver todos os dias. Contudo, é preciso ter a consciência de que ninguém se casa com a perfeição, mas com o potencial. Com uma pessoa que tem o direito de tentar e de se esforçar para ser melhor e crescer a cada dia, mesmo cometendo erros e tendo falhas. Tenha paciência, o casamento certo também não é somente o que se quer, mas o que a outra pessoa quer e precisa que sejamos.

Outra coisa, também necessária, é entender que o namoro não é uma fase apenas para se divertir e adiar a importante decisão do casamento em favor de interesses pessoais e egoístas, mas que o namoro e o casamento são as portas que vão levar o casal aonde desejam chegar no final.

Duas pessoas que estão prestes a se casar também devem estar cientes que para ter uma união duradoura e feliz precisam saber que casamento implica em sacrificar-se, partilhar e até reduzir algumas liberdades pessoais, compreende economias longas e penosas, filhos que trazem fardos financeiros, de serviço, preocupações e cuidados, exige paciência e amor com o cônjuge e os filhos para as mudanças, dificuldades e os desafios que virão; mas que, acima de tudo, envolve as emoções mais profundas e doces existentes na vida.

Busque ser digno da pessoa com quem você deseja casar ou está casado. Se quer alguém com atributos e virtudes, seja essa pessoa primeiro, mude. Se deseja se tornar e estar melhor do que se encontra hoje, busque no alto, nos lugares certos e da maneira certa. Caso tenha dúvidas sobre as escolhas pela frente, busque ajuda daqueles com mais experiência e sabedoria, que tenha seu bem-estar no coração, incluindo Deus.

O casamento e a vida familiar podem ser doces e se tornar cada dia um pouco mais perfeitos quando o casal se fundamenta na responsabilidade de amar-se mutuamente e aos filhos, de cuidar um do outro e dos filhos e lutam pelas bênçãos supremas de uma vida e uma família feliz.

Por Sônia Penha, via familia.com.br

Imprima Esta Postagem